Augusto Dos Anjos

Augusto Dos Anjos

Sinopse

A publicação do livro Eu, em 1912, causou estranheza e uma certa repugnância entre os raros críticos que se dispuseram a ler o volume. Leitor do naturalista e fisiologista Darwin, o homem da teoria das espécies, e do biólogo Haeckel, teórico do transformismo, Augusto dos Anjos apresentava ao leitor, sem qualquer cerimônia, em versos contundentes e incômodos, por vezes irados, ideias, conceitos e o vocabulário específico das especialidades desses cientistas, ordenados sob a visão pessimista do filósofo Schopenhauer.
Sem compreender muito bem o que lia, o leitor se deparava com termos como monera, citula, zoófito, e expressões insólitas. O mais chocante, porém, era o gosto do autor pelos aspectos repugnantes da vida, no plano físico e moral. Desde o primeiro poema do livro, 'Monólogo de uma Sombra', o autor esclarecia que 'a podridão me serve de Evangelho.../ Amo o esterco, os resíduos ruins dos quiosques'.
Por trás dos versos ásperos, da linguagem um tanto pedantesca, da tristeza dilacerante e incômoda do poeta, havia no entanto uma visão original da vida. Comovido e perplexo diante do espetáculo imenso do cosmo, em contraste com a realidade mesquinha do cotidiano, o poeta estende a sua fraternidade a tudo o que existe: a meretriz, o tamarindo, o cão, o bêbado, o tuberculoso.
Apesar de se tratar de uma poesia 'difícil', o Eu é um dos livros de versos mais lidos da literatura brasileira, com dezenas de edições, fascinando e desafiando cada nova geração de leitores. E assim deve continuar por muito tempo, enquanto o homem for capaz de se inquietar com o mistério da vida. Como observa José Paulo Paes no prefácio Melhores Poemas Augusto dos Anjos, o livro 'ontem como hoje, hoje como amanhã, não poderá deixar de surpreender a quantos se debrucem sobre a estranha poesia de Augusto dos Anjos'.

Quem ouviu esse, ouviu também: