Literatura, Pão E Poesia

Literatura, Pão E Poesia

Sinopse

Sérgio Vaz é, ele mesmo, o criador daquela que talvez seja a maior poesia viva desse país – o sarau da Cooperifa, na Zona Sul de São Paulo. Mas, neste livro, o poeta se faz cronista para nos trazer em prosa as notícias de um mundo em que 'os pedreiros constroem casas (alheias) como se fossem (seus próprios) lares' – e as domésticas 'não admitem ser domesticadas'. Notícias de 'um povo lindo e inteligente que sonha enquanto faz'.

Em sua estreia na crônica, Vaz profana a língua com talento para incluir nela um naco maior de mundo. Tem dedos de navalha para disfarçar a ternura do olhar que afaga as entrelinhas. Nos encanta – e às vezes nos golpeia – com achados de linguagem paridos numa realidade onde as frases têm de ser puxadas pelo pescoço para não morrer de bala perdida antes mesmo de existirem.

Quem ouviu esse, ouviu também: